Nascida em Fortaleza,no Ceará, atualmente Janaína Queiroz, de 30 anos, é uma das principais zagueiras atuantes em Portugal, mais precisamente no time da cidade de Braga com a camisa número 3.

Com passagens pelos times brasileiros Centro Olímpico, Vitória de Santo Antão, São José, Santos e SC Corinthians/Audax, ela já teve uma passagem internacional no Zorky Krasnogorsk, da Rússia.

Jana recebe premiação com o time do Braga (Divulgação)

“Tive uma temporada para cumprir e pude jogar a Champions na Rússia mais não consegui terminar a temporada logo após a desclassificação do time na competição. Não consegui mais voltar após as férias. Era um país muito frio, onde as pessoas são muito frias, enfim eu não consegui me adaptar tão bem”, disse Jana.

Já, no Braga, ela disse que sua adaptação foi muita mais fácil. “Eu gosto muito daqui da cidade, do país, do clube, das minhas companheiras de equipe, da comissão técnica e de tudo que o Braga proporciona. A minha adaptação foi muito fácil que na Rússia”, completou a jogadora.

https://twitter.com/SCBragaOficial/status/994630680696049666

Na entrevista completa e exclusiva realizada pelo F4L (abaixo) você também pode conferir como está a atual temporada e sobre a conquista de seu primeiro título em cima do Sporting de Portugal, maior rival do Braga no país.

MOMENTO MAIS MARCANTE DE SUA CARREIRA

Foram vários dias. Mas um que me deixou marcada foi quando recebi a minha primeira ajuda de custo, ou seja, o meu primeiro salário no futebol feminino. Isso foi uma grande vitória para nós que sabemos que essa é uma modalidade difícil para se ter um salário digno. Se era pouco ou ruim? Isso não me importava, pois foi o meu primeiro salário.

O ANO DE 2008 PARA VOCÊ

Janaina comemora título da Seleção Sub-20 (Divulgação)

Eu lembro como se fosse hoje. Tinha um sonho em poder jogar profissionalmente e também chegar à seleção brasileira. 2008 foi um ano muito glorioso para mim, porque ao mesmo tempo em que passei em uma peneira,logo em seguida já fui convocada para seleção sub-20. Eu não tive tamanha felicidade de me expressar o que sentia naquele momento, só agradecia e, claro,era mais uma vitória para comemorar com a minha família. A vontade que tive era ligar para eles e dar logo a notícia. Foi um momento único e onde tudo começou:no Santos. Lá, foram meus melhores títulos e minhas maiores conquistas. Até hoje eu agradeço muito!

ADAPTAÇÃO: RÚSSIA X PORTUGAL

Eu gosto muito da cidade, do país, do clube,das minhas companheiras de equipe, da comissão técnica e de tudo que o Braga proporciona. A minha adaptação foi muito fácil. Claro que, no começo em uma equipe nova, é difícil fazer novas amizades, se adaptar no novo estilo de jogo,isso tive um pouco de dificuldade, mas foi rápida e bem mais fácil do que jogar na Rússia.

Lá, eu tive uma temporada para cumprir e pude jogar a Champions League mas não consegui terminar a temporada. Logo após a desclassificação do time na competição, eu sai de férias, fui para casa e não consegui mais voltar para o país,  pois era muito frio, onde as pessoas são muito frias. Enfim não consegui me adaptar tão bem quanto me adaptei aqui em Braga.

ESTILO DE JOGO NO BRAGA

Jana comemora com companheira de equipe (Divulgação)

Tentei me adaptar ao estilo de jogo aqui de Portugal, da equipe do Braga e do nosso treinador. Ele tem uma forma mais agressiva de se jogar, sempre respeitando os adversários. Também é um time forte defensivamente. Eu sempre tive esse meu jeito de jogar mais firme e tive várias oportunidades de subir ao ataque e marcar alguns gols. Acredito que tenha me alinhado ao estilo de jogo do treinador e da equipe e tudo se tornou mais fácil.

BOM MOMENTO NA LIGA PORTUGUESA

Este ano na Liga está sendo um momento muito bom para a equipe. Claro que tivemos um bom começo de temporada com um título contra o Sporting, que faz com que o ano comece com mais força de vontade e confiança. Estamos vivendo um momento muito bom no Campeonato. Estamos em primeiro lugar no campeonato, mas é uma competição longa, não podemos vacilar.Temos que ir para todos os jogos como se fosse uma final, pois atrás de nós existem outras grandes equipes que vão brigar pelo título. Não somos as favoritas, mas o momento é bom, estamos marcando muitos gols e estamos sofrendo poucos. Isso é mérito do trabalho de toda a equipe, que está unida. Trabalhamos muito pois a comissão técnica nos exige ao máximo. Esse treinamento nos favorece para sempre darmos o nosso máximo em cada jogo.

ÚNICA BRASILEIRA E RENOVAÇÃO

Eu sou feliz por ser a única brasileira que permaneceu na equipe. Já tiveram outras, já pude jogar aqui com brasileiras,uma delas foi a Gabi Moraes (atualmente joga no Iranduba da Amazônia). Ao mesmo tempo fico lisonjeada por ter renovado por mais uma temporada. Claro que isso foi mérito meu por mostrar um bom trabalho e agradeço toda a comissão,treinador, presidente, diretores do clube e todos por terem confiado no meu trabalho.

MOMENTO QUE TEVE QUE SUAR A CAMISA

Primeiro título conquistado por ela no time português (Divulgação)

Tiveram vários momentos desse. Mas todas as finais contra o Sporting foram momentos bastante acentuados. Inclusive a que fomos campeãs. Teve prorrogação e pênaltis. Então eu jogava e pensava no que poderia acontecer. Por mais que poderíamos sair com a derrota, eu procurava não pensar nisso e sair dessa final com uma vitória. Até porque, na época, já era a terceira ou quarta final contra o Sporting e todas as finais foram por pouco.Não queria sair dali derrotada e graças a Deus que veio a vitória, o título e o meu primeiro campeonato conquistado na equipe do Braga.

PODER JOGAR MAIS UMA CHAMPIONS LEAGUE

Jogar uma Champions é uma experiência única. Todos os atletas querem sentir e ter essa sensação. Quando toca aquela musiquinha. O objetivo do Braga é esse. É o meu também e de toda a equipe conquistar uma Champion. Mas é um momento que se tem muita exigência em um campeonato longo com grandes equipes.  Não está sendo fácil, estamos trabalhando muito para que isso venha a se concretizar para dar toda a alegria aos nossos adeptos. Eles sempre estão conosco e tem comparecido aos nossos jogos no sol ena chuva. Essa é à vontade: de levar para o clube e para a cidade de Braga esse campeonato, onde sonhamos com isso e temos que trabalhar para que se concretize.

IRMÃ SEGUINDO O MESMO CAMINHO

Jayanne foi apresentada nessa semana (Divulgação/Facebook Botafogo-PB)

Tenho uma irmã que joga futebol (Jayanne, de 22 anos). Infelizmente nunca pude jogar na mesma equipe mas seria muito bom se acontecesse um dia. Poder jogar com ela e sempre estarmos próximas. Ela joga de meia-atacante (recentemente foi contratada pelo Botafogo-PB). Ela marca muitos gols, não que eu não marque também, mas ela joga mais próxima ao gol e, com isso, marca mais.